top of page
Buscar
  • Foto do escritorCinema Comentado Cineclube

Fábula sobre uma sociedade sem emoções e afetos, “O Lagosta” marca o início das exibições de filmes na Unimontes

Iniciando as atividades cinematográficas de 2024, o Cinema Comentado Cineclube em parceria com a Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), através do Programa de Pós-Graduação em Letras – Estudos Literários (PPGL) e do Centro de Comunicação e Referência Audiovisual (CCRAV), apresenta a sessão presencial do filme “O Lagosta” (2015), produção dirigida pelo grego Yorgos Lanthimos, cujo roteiro foi indicado ao Oscar, em 2017. As exibições acontecem no Auditório do CCH, no 2º andar do prédio 2, seguidas de debate sobre as produções exibidas.


Lanthimos se tornou conhecido pelo inquietante “Dente Canino“ (2009) e realizou sucessos como “O Sacrifício do Cervo Sagrado” (2017) e “A Favorita” (2018); em 2023, o recente “Pobres Criaturas” venceu o Leão de Ouro, em Veneza, e conquistou a crítica e o público. Na cerimônia do Oscar 2024, “Pobres Criaturas” venceu em três categorias técnicas – figurino, design de produção e maquiagem/cabelo – e garantiu a vitória de Emma Stone, como melhor atriz, interpretando a protagonista Bella Baxter.


“O Lagosta” é uma distopia futurista, na qual uma lei proíbe que as pessoas fiquem solteiras. Qualquer homem ou mulher que não estiver em um relacionamento é preso e enviado ao Hotel, onde terá 45 dias para encontrar um(a) parceiro(a). Caso não encontrem alguém, eles são transformados em um animal de sua preferência e soltos no meio da Floresta. Neste contexto, um homem se apaixona - algo proibido, de acordo com o sistema.


Para o crítico Adriano Nogueira, do jornal online O Povo, “o filme segue a cartilha da estética do absurdo em que as coisas mais bizarras são ditas e vividas na maior naturalidade. É uma distopia em que o ponto mais tenso dessa visão futurista é o fato das pessoas estarem totalmente robotizadas. (...) É um verdadeiro terror se viver em uma sociedade como aquela, em que os humanos perderam a melhor parte daquilo que nos faz homens: a emoção e os sentimentos, quase completamente!”.


Trabalhando o absurdo e o nonsense, Lanthimos registra uma crítica precisa as questões sociais e emocionais da atualidade sem perder a ironia que marca sua narrativa envolvente, direta e, mesmo, estranhamente familiar. O cineasta nos convida para uma jornada fílmica reveladora sobre a sociedade e nós mesmos.


As sessões do Cinema Comentado Cineclube são gratuitas e se fundamentam na ideia de proporcionar uma experiência cinematográfica estética e reflexiva ao público. As conversas após a exibição permitem compartilhar opiniões e transmitir o conhecimento de forma abrangente e diversificada aos participantes.

18 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page